Eu, você e todos nós

Fonte: filme "As vantagens de ser invisível". 

Muitos ainda recordam do garoto que tinha medo de tudo. E, do modo como ele  andava sempre cabisbaixo, além de sua fala rápida e baixa. “Era como se ele quisesse se livrar o mais rápido possível do contato com o outro”, disse-me um senhor bem humorado.

Segundo outros comentários, o garoto parecia funcionar melhor sozinho, porém perdia facilmente a cabeça quando algo não saia como imaginava ou desejava, mesmo assim negava qualquer tipo de auxilio. Possuía manias e medos bem peculiares, entre eles: Dormia muito cedo, principalmente em noites de lua cheia. Não saia de casa quando o vento estava soprando mais forte, pois ele achava que podia ser levado pela ventania.

Quanto mais apurava sobre a história do garoto mais curioso eu ficava. O que havia começado com uma pequena pesquisa para um estudo acadêmico, estava ganhando um grande significado em minha vida. 

Dando continuidade a pesquisa, ouvi que o garoto nunca pedia ajuda as pessoas à sua volta. O que o fazia ser visto como individualista por todos eles. “Ele não se limitava a apenas não aceitar a ajuda alheia, mas sim, a não colaborar com ninguém”, disse-me uma jovem que parecia ressentida com algo feito ou não pelo garoto. Observando a mágoa presente nas breves palavras da garota, tentei fazer com que ela se abrisse, mas ela simplesmente fugiu de mim.

Outros relatos surgiram, e me fizeram perceber que muitos taxavam o garoto como louco, prepotente, medroso, egoísta e outros termos chulos. Porém, eu não conseguia crer que a verdadeira essência dele fosse essa, considerava a ideia que só quem realmente teve a oportunidade de conviver com ele sabia de fato o que se passava em sua mente e coração, mas ai que estava o problema, segundo minhas pesquisas não havia tido ninguém ao seu lado. Ele era completamente sozinho na vida, ou ao menos aprendeu a ser com o passar do tempo.

Ao terminar de ouvir todos os comentários sobre o garoto, sinto meu lado romântico falar mais alto. E, começo a defender a seguinte conclusão: que o maior erro do garoto foi ser crítico demais consigo mesmo e os outros. Ele não se sentia digno o bastante para relacionar-se com as pessoas e pensava o mesmo sobre elas conviverem com sua presença. Ou seja, ele podia não permitir que as pessoas se aproximassem e vice-versa, mas talvez isso não significasse que ele não almejasse uma boa companhia.

Seguindo essa conclusão pessoal, um novo pensamento se formou em minha mente, que o garoto presente nesta história é bem mais comum do que somos capazes de imaginar. 

O garoto pode ser encontrado em qualquer esquina e até mesmo em nossas casas; poderia ser eu, você e qualquer outro. Qualquer individuo que não se sente digno da presença ou de ser companhia para alguém, uma pessoa que já se decepcionou tanto que prefere se fechar para si mesmo, alguém que opta por simplesmente viver isolado.

Existem inúmeros motivos que tornariam mais fácil a compreensão do comportamento do garoto. Eu poderia passar horas citando muitos deles, mas para isso precisaria contar sobre mim. Afinal, muitas vezes agi como ele, e quem nunca fez o mesmo?

A mais pura verdade, é que muitas vezes não estamos preparados para nos abrir totalmente e lidarmos com as inúmeras opiniões que surgirão após isso. Nos parece mais viável criar um mundo só nosso e viver nele até onde der. 

Enfim, seria esse o momento apropriado para começarmos a caminhar cabisbaixo e evitar ao máximo o contato visual? Era isso que se passava na mente do garoto? 

16 comentários

  1. É verdade, há mais pessoas assim por este mundo fora. Por vezes até nós nos podemos tornar um pouco assim!
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  2. Que texto! Esse garoto podeira ser muito bem eu, por muitas vezes agi desse jeito e hoje em dia, com muito custo, estou parando. Talvez eu tenha usado a escrita mais para conseguir parar com isso. Acho que muitas pessoas usam ela pra mesma forma
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Que texto maravilhoso!
    Amei o blog e segui*
    http://omundodajesse.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Viver sozinho com essa ideia de que tu não é digno da companhia de alguém é muito triste e perigoso. Eu costumo pensar que estou incomodando ou desconfiar dos sentimentos alheios, mas a vida é assim, não teremos nunca certeza da verdade alheia, só teremos da nossa e se desejares a companhia, a amizade, o amor de alguém, deves buscar por isso ;)

    https://monautrecote.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Texto lindo e profundo. Adorei!

    http://www.depoisdesonhar.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Amei o texto, muito tocante! Você escreve bem demais, rapaz!
    Beijos, http://girliethingspt.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo, muito profundo! Escreve muito bem mesmo.
    Adorei seu blog e já segui! Poderia seguir o meu também?
    Palavras ao vento

    ResponderExcluir
  8. Olá, Renato.
    O texto está ótimo como sempre. Lendo, me vi sendo descrita ali. Quase todas as atitudes do garoto poderiam ser as minhas. Sou bem fechada e as pessoas enxergam isso de outra maneira, mas não sei ser diferente.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Boa noite, tudo bem?
    Passando aqui pra responder seu comentário.
    Adorei o texto... é realmente triste viver sozinho com esse pensamento.
    Volte sempre!
    Espinha Punk !

    ResponderExcluir
  10. Olá, Renato. Tudo bem? Espero que sim. Quero que saiba que eu fico ainda melhor quando entro no seu blog e encontro textos como esse. Já havia lido ele outras vezes, mas toda vez que releio, tiro uma outra conclusão. Seus textos têm esse dom de nos fazer refletir um pouco mais a cada lida. Parabéns. Beijos. :*
    http://avessandoavida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Já fui esse garoto Renato. Antes tinha uma tremenda dificuldade em me enturmar, acabei deixando uma impressão que não queria para os outros... Mas tudo isso mudou quando eu pude me ver como as pessoas bem próximas de mim me veem. É libertador! :)

    rasgadojeans.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oie Renato =)

    Sou uma pessoa bem desconfiada, tanto que quando uma pessoa me trata "bem" demais já acho que ela quer alguma coisa. As vezes tenho sentimentos/pensamentos ruins e na verdade todo mundo tem seus dias sombrios. Só não podemos deixar esses dias se tornarem uma constante em nossas vidas.

    Belo texto!


    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  13. Sério, me identifiquei com esse garoto :(
    "Nos parece mais viável criar um mundo só nosso e viver nele até onde der." sad :(

    http://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Olá,Renato! Como você está? Que texto encantador. Gostaria de estar no lugar desse garoto mesmo eu agindo desse jeito. Viver sozinho e com os pensamentos que você é só é tão ruim! Sem contar os pensamentos de solidão que vem pra nos atacar e nos deixar mais pra baixo.

    Beijos ♡
    reckless

    ResponderExcluir
  15. Esse é o menino que me pediu indicação de um bom livro de gramática? Kkkkk não é não viu!
    Que lindo texto amigo! Parabéns! Virei fã

    ResponderExcluir