Querido refúgio,

Fonte: Google Imagens.


Querido bloco de notas,

Afinal, não vou te chamar de diário nem fu... Venho me sentindo oco e muito solitário, e por isso estou te usando. Tudo está tão parado e ao mesmo tempo em constante modificação desde que me mudei. Minha nova moradia e cidade são muito bonitas, mas o motivo que me trouxe até elas não. 

Os poucos amigos que possuo foram reduzidos a trocas de mensagens via Whatsapp ou SMS. E isso não se compara as inúmeras experiências que partilharmos juntos como, por exemplo, a garrafa de vodka que roubamos da casa do meu avô e o filme com classificação acima de nossa idade que conseguimos assistir ao deixarmos nossa barba por fazer. Além dos inúmeros códigos que criamos para nos comunicarmos e até mesmo falarmos mal das pessoas à nossa volta, sem que elas nos entendessem. 

Apesar da saudade latente no peito, sei que a partida foi necessária. Pois, após minha mãe me contar o que vinha passando em segredo, me vi abrindo mão de tudo para segui-la onde quer que ela fosse. Não seria digno de minha parte mentir, então devo confessar que tem sido difícil demais segurar as lágrimas que teimam em escorregar dos meus olhos quando me deparo com minha mãe vomitando excessivamente, ou quando ela desmaia por um longo período me deixando desesperado com a ideia de nunca mais acordar. 

No começo desta semana ela foi internada após uma série de convulsões. Segundo o médico, o câncer vem se alastrando e a única droga que ele acreditava fazer algum efeito não vem funcionando. Após o episódio convulsivo minha mãe raramente acorda, pois tem sido sedada frequentemente. Meus familiares que moram em estados distantes estão a caminhos e alguns amigos também, mas não sei se quero revê-los. 

O que realmente quero é incerto... Desejo tantas coisas, entre elas, voltar para minha antiga casa, amigos, colégio e principalmente para a versão saudável de minha mãe. Do contrário, não sei mais o que espero da vida. Estou completamente perdido, tudo o que às vezes anseio é uma pessoa que me ouça em alguns momentos, um amigo, um desconhecido, minha mãe ou apenas ficar sozinho na escuridão do meu quarto. Eu só não quero ser obrigado a dizer adeus. Entretanto, brevemente serei forçado a emitir tal palavra para tudo o que um dia considerei conhecer, ter e amar. 

Por hoje, chega... Tenho tanto medo do que irei escrever nas próximas páginas, mas seja o que for espero que isso me ajude de alguma forma. 

Com o coração em pedaços, 
Prefiro não me identificar  

24 comentários

  1. Oi Renato,
    Eu adoro esse tipo de pessoa. Que escreve aquilo que sente e consegue emocionar o leitor.
    Precisamos de uma válvula de escape e o bloco de notas pode muito bem fazer esse papel.
    Adorei!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Este é um texto que nos deixa de coração apertado! Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  3. Olá,Renato! Como você está? Tem coisa do melhor do que ler esse texto e estar ouvindo o álbum inteiro Honeymoon da Lana Del Rey? Esse texto me motivou a pensar muito,e quero ver o mundo de uma outra maneira. É tão gratificante ver a vida de uma pessoa sendo escrita em um pequeno relato. É uma história tão trágica e motivadora,acredito eu que meu olho lacrimejou. Quero ler mais textos seus <3
    Beijos ♡
    reckless

    ResponderExcluir
  4. Que texto maravilhoso <3 Me encontrei nele
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, a dor e a solidão e a tristeza, nos faz ficar assim. Um belo desabafo e que esse confronto com a realidade seja menos doloroso do que possa ser.
    Um abraço,
    DMULHERES@_sheylaxavierFanpage

    ResponderExcluir
  6. Oi, Renato! Que texto forte e emocionante. Meu coração ficou apertado, de verdade. É mega importante desabafarmos de alguma forma e escrever também é uma das minhas maneiras favoritas de fazer isso, não tem nada melhor, né?
    Um beijão,
    Gabs do likegabs.blogspot.com ❣

    ResponderExcluir
  7. A arte da solidão... Meu coração apertou.

    Sua escrita é muito linda e tocante, parabéns!! Vou ler mais textos seus!

    Abraço
    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Texto emocionante. Quantas vezes tudo que acreditamos desmorona a nossa frente?

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    ResponderExcluir
  9. Olá, Renato.
    Me emocionei com o texto. Tem horas que a unica coisa que a gente queria era ter a nossa vida de antes de volta. E ainda mais eu que sou avessa a mudanças. Parabéns por mais esse texto maravilhoso.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Oie Renato =)

    Que texto lindo! Fiquei realmente emocionada com suas palavras. Acho que todo mundo as vezes quer voltar para aquela que foi a melhor época de sua vida. Mas temos que caminhar em frente e passar pelos maus e bons momentos que o futuro nos reversa

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  11. Me identifiquei com isso dos poucos amigos sendo reduzidos, sinto que estou passando por isso, mas só nessa questão. Nossa, senti a dor do personagem do texto! Sua escrita é tão boa que me faz estar com o personagem, se não no personagem muitas vezes também.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Renato,
    Ótimo texto, profundo e direto que faz a gente sentir o que está sendo descrito.

    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Texto bem intimista e se for apenas ficção, muito bem convincente e bem escrito! Mudanças por motivos ruins devem ser bem difíceis de lidar mesmo.


    Beijos
    https://monautrecote.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Esses momentos em que nada está sob o nosso controle nos causa medo e incertezas. Mas assim como o mundo dá voltas, a vida passa por diversas transformações. Boas ou ruins, sempre nos ensinam algo de valor.

    rasgadojeans.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Um belo texto, cheio de solidão, dor e incertezas... De deixar a gente com o coração dolorido Renato.

    ResponderExcluir
  16. Oi, Renato!
    Eu realmente gostei do texto. Considero-o um dos melhores que você escreveu e postou aqui.
    É bem difícil lidar com determinadas mudanças, né? Principalmente quando uma série de coisas parece complicar simultaneamente e você se sente perdido.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Oi Renato, como vai?
    Adoro a forma com que você escreve, gera tão facilmente uma empatia, mesmo em trechos curtos é fácil se conectar ao "eu" retratado. E nesse caso gerar um aperto no coração e os olhos marejados. Faz-me também pensar naqueles entes próximos, e me sensibilizar por esse medo.
    Obrigada por compartilhar, e pela reflexão que a leitura trouxe.


    Beijinhos
    Pryh
    *~Lírios Ao Mar~*

    ResponderExcluir
  18. Oi, Renato.
    Sei que estou sendo repetitivo, mas adorei o texto. São palavras carregadas de sentimentos que é impossível não se emocionar.
    Acho incrível quando alguém consegue nos tocar com palavras. Também acho que só as pessoas que têm um olhar sensível em relação a tudo que está a sua volta conseguem fazer isso. Parabéns! Você faz isso muito bem.

    Abraço!
    http://tudoonlinevirtual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi, Renato. Conheci seu blog já recebendo um texto fod*, pesado, cortante, mas real e reflexivo. O medo de perder, de se afastar. www.carolespilotro.com

    ResponderExcluir
  20. Seu texto me emocionou, consegui sentir a angústia do personagem.
    Bluebell Bee

    ResponderExcluir
  21. Renato como não mergulhar em um texto assim e sentir-se tocada com essas palavras.

    Divagando Palavras
    www.divagandopalavras.com

    ResponderExcluir
  22. Espero que o texto seja apenas ficção, mas caso não seja: desejo muita força! Fácil não é, mas quando a gente mais precisa, vem um força divina. Pode acreditar. =) E quando a companhia faltar, escrever alivia muito. Aliás, escrever alivia sempre!

    Um beijo, Carol

    ResponderExcluir
  23. Oiie Renatooo. Nossa. Estou meio que boquiaberto com esse texto! Ele mudou COMPLETAMENTE da metade para a frente. Como se fosse outro. Até a metade pensei que se tratasse apenas da saudades pela antiga cidade e amizades. Mas depois... que texto! Gostei bastante. E embora você não deixado explícito, espero não ser verídico.
    P.S: Essas últimas semanas têm sido complicadas para mim no que tange à visitas e comentários. Mas sempre darei um jeito de vir aqui!

    ACESSO PERMITIDO. ♥
    www.acessopermitido.com

    ResponderExcluir
  24. OOOOOI

    nossa... meu coração foi um pouco partido ao ler esse texto ._.
    eu compreendo o apego do autor com a mãe e sofro só de pensar em ver a minha passando por uma situação dessas :(
    eu espero que a luz chegue logo pra ele e que as coisas voltem a normalidade da melhor maneira possível!

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir