Navigation Menu

Crítica | 'Túmulo dos Vagalumes'


“Túmulo dos Vagalumes – Hotaru no Haka” (1988) é uma animação japonesa escrita e dirigida por Isao Takahata, que é um dos principais nomes do Studio Ghibli, ao lado de Hayo Miyazaki, considerado um dos mais respeitados criadores de animações japonesas. O filme tem como base uma obra literária e parcialmente autobiográfica com mesmo título e escrita por Akiyuko Nosaka, em 1967. 

O começo desta animação já deixa claro que não se tratará de uma história fácil de ser acompanhada, muito menos previsível quando o assunto é o destino dos personagens. Afinal, a obra conta com a seguinte fala inicial: “21 de setembro de 1945. Essa foi a noite em que eu morri”.

O filme trata de forma real e poética o modo como a Segunda Guerra Mundial afetou gradualmente as pessoas que vivenciaram esse período. E, vale salientar a quebra da ideia equivocada de que animações só servem para o público infantil, pois esse material foca em um público mais maduro e consegue fazer isso de modo certeiro.


A trama acompanha o jovem Seita e sua irmãzinha Setsuko, e o modo como ambos tentam sobreviver aos últimos meses de guerra. Porém, tudo se torna muito mais complicado e triste quando a mãe deles acaba morrendo, após ser vítima de um dos bombardeios. 

Seita e Setsuko passam um período na casa da tia, compartilhando do mesmo anseio o retorno do pai, que se encontra trabalhando na guerra. Mas infelizmente isso parece cada vez mais distante de se tornar realidade. Com o passar do tempo e as investidas da tia para que as crianças se moldem ao período que estão vivenciando, deixando de lado a infância e seguindo a fase adulta antes do tempo, com isso os irmãos se sentem na obrigação de, ao menos, tentar viverem por si mesmos. 

Apesar de ter como plano de fundo a guerra, o foco desta história sem sombra de dúvidas está na relação entre os irmãos Seita e Setsuko, a ligação forte que facilmente faz com que os espectadores criem empatia rapidamente por eles, principalmente por eles se encontrarem numa situação de completa vulnerabilidade, o que a meu ver torna-se impossível não se imaginar no lugar deles, não compreender os medos e necessidades que eles vêm sentindo.


Isao Takahata soube tratar tudo isso com bastante sensibilidade. Afinal, Seita não se poupa ao proteger e colocar a vida de sua irmã sempre em primeiro lugar. O jovem atua como um protetor para sua irmã, enquanto a garota mantém seu olhar inocente sobre o que está acontecendo. Ambos buscam fixar-se em coisas simples, mas que parecem dá todo um significado e até mesmo momentos felizes, como as balas de frutas, que muitas vezes é o único alimento do qual Setsuko tem para comer, ou os vagalumes que iluminam o abrigo improvisado que resolvem morar.

O trabalho gráfico feito por Miyazaki é ótimo, pois não poupa o espectador de detalhes, como feição ou até mesmo fraturas, feridas e demais características, tornando os traços o mais próximo possível do real. 

“Túmulo dos Vagalumes” é um filme marcante, profundo, poético e literalmente arrasador. Um filme diferente, lindíssimo, porém, ao mesmo tempo, belamente horrendo e aterrorizante. Traz à tona como os japoneses compreendem o impacto da Segunda Guerra Mundial em suas vidas, suas crenças e seus valores. Mas vai bem além, ao trazer inúmeras questões, entre elas: Qual o valor de uma guerra? O bem vence o mal? Quem representa o bem e quem representa o mal? No fim das contas, é valido mesmo todas as mortes e destruições? Como ficam os indivíduos que conseguem sobreviver? Será que o diálogo não seria algo mais coerente e menos impactante e egoísta?



Enfim, a história vai além dos irmãos Seita e Setsuko (personagens que sempre estarão presentes em minha mente e coração), pois traz também a realidade presente nesse período, e também a questão crítica em relação à desumanidade inerente à guerra, e como ela pode afetar cruelmente até mesmo aqueles que não têm nada a ver com a mesma. Chega a ser vergonhoso o modo como somos capazes de perder inúmeras vidas, pela busca de “poder”, o que só ressalta a futilidade presente na humanidade. 

Confira o trailer do filme:



Título: Túmulo dos Vagalumes (Hotaru no Haka). 
Nacionalidade: Japão.
Ano: 2017.
Gênero: Romance, drama, crítica social.
Duração: 1h 30m.
Roteiro e direção: 
Isao Takahata.
Avaliação: 5/5

8 comentários:

  1. Ei Renato. Joia?
    Então, eu não tenho costume de assistir animação não, mas essa em específica me chamou muita a atenção. O tema tratado não é muito comum de se ver em animações, acho que por esse motivo (ser algo diferente) que fiquei curioso para assistir.

    Abraços
    www.estupefaca.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha. Gosto dessas animações que nos fazem refletir e pensar.

    Até mais,
    Emerson Garcia

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    ResponderExcluir
  3. Olá, Renato.
    Eu gosto muito de histórias relacionadas a Segunda Guerra. Acho que temos que ler e assistir constantemente para estar sempre lembrando do que pode acontecer. Não conhecia esse filme ainda, mas achei interessante, principalmente por ter a visão dos japoneses e vou anotar para assistir.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi Renato, tudo bem?
    Já fiquei atraída pelo título. Gosto muito de histórias que se passam no cenário da segunda guerra. O engraçado é que sempre aprendo algo novo ou conheço alguma história. Acho que nunca li e nunca vi o ponto de visto dos japoneses, o que mudou para seu povo, como eles foram afetados. Tenho certeza de que irei me emocionar com a história desses irmãos. Dica mais do que anotada. Sua crítica ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Renato,
    Infelizmente, não costumo assistir esses animes, animações japonesas.
    Lembram muuuuito meu ex, rs. E minhas experiências com essas coisas não foram positivas.
    Mas para quem gosta, é uma ótima dica!
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oie Renato. ♥ Gostei muito do trailer e da ideia do anime. Não sou muito fã de animes, acho que de todas as espécies do gênero das artes visuais, o anime é a minha menos preferida. Mas gostei muito da ideia/crítica social acerca da guerra que o anime trás. E como disse, gostei do trailer. Acho que se eu gostasse de animes e filmes dessa temática, eu assistiria! ♥

    ACESSO PERMITIDO. ♥
    www.acessopermitido.com

    ResponderExcluir
  7. Não conheço o filme, mas estes filmes de animação japonesa são sempre tão belos, desde a imagem à história sendo que são sempre muito emocionantes. Boa resto de fim de semana.
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito de saber sobre esse filme. Não sei nada sobre as animações do Studio Ghibli e saber um pouco mais sobre a produção de um dos principais nomes de lá, é realmente muito bom. Acho que é o tipo de história que me interessa sim. Vou atrás para assistir <3

    Beijos
    https://monautrecote.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir