. . .

16/01/2018

Profundidade e delicadeza para se compreender “As vantagens de ser invisível”

Fonte: Pinterest.
Será que é mesmo necessário dramatizar excessivamente a narrativa de um livro ao falar de um tema denso? Em "As vantagens de ser invisível", escrito por Stephen Chbosky, em 1999, vemos que isso não é requisito essencial na criação de uma romance. Muitas vezes seguir outro caminho na construção da história é uma escolha muito mais inteligente e eficaz. O que lemos nesta obra que se passa entre os anos de 1991 e 92, retratando de forma crua e o mais próxima da realidade as vivências de Charlie, o protagonista do livro, um adolescente que começa a cursar o ensino médio e sofre de depressão, doença que já é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) o mal deste século.

O livro é narrado em formato epistolar, ou seja, através de cartas escritas por Charlie e endereçadas ao "querido amigo", uma pessoa anônima, para quem, ele expõe de forma íntima, hilária e devastadora tudo o que vem passando. E, embora em sua primeira carta o adolescente cite o medo de se sentir excluído no ensino médio, aos poucos ele se dá conta do quanto aquele momento poder ser a mudança que tanto deseja em sua vida pessoal e social. Todo esse pensamento se solidifica quando ele conhece Sam, Patrick e demais pessoas que denominam, ironicamente, seu grupo como "ilha dos brinquedos rejeitados". Charlie começa a ter diversas experiências, entre elas, convívio social, primeiro amor, uso de drogas lícitas e ilícitas, brigas e várias outras situações, enquanto lida com seus traumas de infância, além dos dilemas que surgem não só em sua vida, mas nas das pessoas que o cercam.

Chbosky traz também referências musicais e literárias, utilizadas claramente como recomendações para os leitores. A música "Heroes", do cantor e compositor David Bowie, encaixa-se perfeitamente no sentimento compartilhado entre Charlie e seus amigos, a ânsia de se fazer um grande feito, ou como a própria canção cita "nós podemos ser heróis, apenas por um dia". Há também a indicações de livros, entre eles, O sol é para todos, O grande Gatsby e Hamlet, feitas por Bill, professor do adolescente, que acabam contribuindo para sua visão de mundo e senso crítico. 

Mas o que realmente diferencia esse livro das demais ficções juvenis, é o modo como o autor não poupa o leitor das qualidades, defeitos e demais características de cada personagem, mesmo a narrativa contando com apenas um único ponto de vista. Apesar de ser uma história direcionada ao público jovem, As vantagens de ser invisível é o tipo de livro que pode ser lido não só por adolescentes. Afinal, é uma obra rica em frases de impacto e reflexão e, ao mesmo tempo, possui certo grau de humor moderado, principalmente na forma como o protagonista se expressa em determinados momentos. Serve para entreter, ensinar e nos lembrar de momentos complicados da vida. Stephen Chbosky possui uma abordagem madura e atemporal, e isso resulta em um retrato sincero de como um jovem pode tentar se recuperar de eventos traumáticos, visando confrontar a si mesmo a viver. E também prova o poder do amor e da amizade, ao trazer a possibilidade de tirar qualquer um de seus momentos mais complexos e sombrios.

Então, acho que somos quem somos por várias razões. E talvez nunca conheçamos a maior parte delas.  Mas mesmo que não tenhamos o poder de escolher quem vamos ser, ainda podemos escolher aonde iremos a partir daqui. Ainda podemos fazer coisas. E podemos tentar ficar bem com elas. 

Vale ressaltar que esta foi a primeira publicação de um livro de Chbosky. A obra foi aclamada pela crítica, justamente pela forma com descrevia os adolescentes sem estereotipá-los. Esse sucesso levou o autor e roteirista inevitavelmente ao cinema. Foi assim que ele se arriscou na direção de seu primeiro filme comercial que se baseou nesse sucesso literário. A adaptação contou com os atores Logan Lerman (Charlie), Emma Watson (Sam), Ezra Miller (Patrick), tendo seu lançamento em 2012, e também recebeu bastante elogios da crítica mundial, por transmitir de forma delicada uma história tão complexa e inquietante. 

Título: As vantagens de ser invisível
Autor (a): Stephen Chbosky
Editora: Rocco
Número de Páginas: 223
Avaliação: 5/5



13 comentários:

  1. Não conhecia, mas parece ser interessante! :) Obrigada pela partilha.
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  2. Amei o post, eu vi o filme e amei, ele é incrível.
    Vou ler o livro para pegar as referências
    Beijos
    lolamantovani.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li esse livro, mas fiquei com vontade. Bjs

    www.mayaravieira.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá, Renato.
    Foi exatamente pela forma como a história é contada que me rendi ao livro logo nas primeiras páginas. Eu amei o personagem principal e nem quis ver o filme com medo de acabar me decepcionando hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Esse foi um dos livros mais com carga emocional que já li na vida. Tanto que li duas vezes, uma em português e outra e em inglês. Acho incrível como o autor descreve a adolescência e é lindo demais!

    Beijos
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
  6. Eu acho que fui a unica pessoa que não gostou desse livro. Confesso que não terminei de ler, parei ainda na metade, mas é que de fato, a leitura não me prendeu.. Tenho pensado em dar uma segunda chance a ele. Gostei muito do seu post!
    beijão,

    www.marinaalessandra.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Renato,
    Ótima resenha! Eu tive dificuldade em me apegar à leitura desse livro. Achei que fosse odiar. Daí as páginas foram passando e eu lá, virando as horas e os sentimentos brotando. No fim adore, trás um tipo de sentimento até hoje não sei descrever, mas é uma leitura bem marcante. Gosto do filme tb, porém o livro parece ter um ar mais pesado.

    até mais,
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que sou muito insensível porque eu assisti ao filme e achei bem chato, não me identifiquei em nada...
    Tá certo que o livro é diferente e tudo mais. Mas realmente eu não curti nem o filme nem a história :(

    https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oie Renato =)

    Confesso que não consigo gostar da narrativa do livro, porém é uma história que me emociona bastante.

    Talvez seja o modo como o autor construiu a história, mas a leitura ao menos no meu caso foi um pouco arrastada. Porém, eu adoro o filme, tanto que já assisti várias vezes.

    Bela resenha!

    Beijos;**
    Ane Reis | Blog My Dear Library 

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito do filme desse livro! Parabéns por sua análise!
    Bom final de semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  11. Eu tinha visto o filme e por isso tinha desistido de ler o livro, mas agora com essa explicação, vale muito mais a pena ler o livro, mesmo depois de ter visto o filme né? O que gostei do filme é justamente isso, mostrou todas as qualidades e defeitos de adolescentes, sem esconder nada e sem ser aquela coisa fofa de filme teen. Não tem aquela coisa do mais popular e o mais nerd excluído, é tudo mais "real" né? Enfim, quero bastante ler o livro agora.
    Beijos!

    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Nunca li o livro, acho que o principal motivo foi porque já vi o filme e acabei deixando para lá. Mas olha, adorei a sua análise, o livro realmente tem umas frases impactantes (vejo algumas pela internet e já piro, imagina se eu lesse?), além que essa narrativa faz muito o meu tipo. Acho que irei dar uma chance ao livro :)
    Até!

    our-constellations.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. AAAh eu sou louca para ler esse livro, eu já vi o filme, mas o filme nunca é a mesma coisa que o livro não é mesmo! Vou até adicionar na minha lista!!
    Um beijo grande e muito GORDO
    www.thaissgalbiero.blogspot.com.br

    ResponderExcluir